Filmes





5 lições biblicas de "O Hobbit"




Facebook 0Twitter 0Google+ 6
56 FLARES
Assim como C.S Lewis e suas Crônicas de Nárnia, J.R.R. Tolkien lança em seus livros infanto-juvenis elementos que refletem a fé cristã do seu autor. Não são menções claras, mas ao longo da trama podem ser percebidas em palavras e atitudes, afinal as histórias não se passam neste mundo. O novo capítulo da trilogia do Hobbit é um dos grandes lançamentos de cinema do ano. O site Christian Post selecionou cinco lições claras do Antigo e do Novo Testamento presentes no longa.

1. A corrupção da ganância

Um dos temas nos livros de JRR Tolkien que refletem partes do ensinamento de Cristo é que a ganância e o amor ao dinheiro pode corromper a alma do ser humano. Um dos personagens principais da narrativa, o anão Thorin Escudo de Carvalho, investe tudo que tem para recuperar a riqueza que está na montanha e com isso também ganhar poder. Por isso, arrisca até a vida para tirá-lo do dragão (símbolo bíblico do mal). Se levarmos em conta outras lições similares presentes na trilogia o Senhor dos Anéis, o novo Hobbit também ensina que “o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males”.

2. A importância da profecia

A profecia desempenha um papel importante em “A Desolação de Smaug”. Para encontrar o seu caminho de volta à Montanha Solitária, os anões precisam ficar diante de uma porta no último dia do outono para ver a luz brilhar no buraco da fechadura. Essa é a única entrada, disponível uma vez por ano, e somente quando um pássaro tordo se faz presente.
Outra profecia, essa mais escura e terrível, alerta para o fogo que desce sobre os homens antes do final do combate. Se os anões não levassem em conta o que foi profetizado, jamais venceriam.
Assim como a Escritura, que está repleta de profecias, a “Desolação de Smaug” mostra que é sábio ouvir o que os antecessores deixaram como alerta.

3. A realidade dos demônios

O mago Gandalf trava uma luta contra o Necromancer, que como o nome indica, se relaciona com os mortos. A certa altura ele declara: “Sem dúvida, é uma armadilha.”
No mundo criado por Tolkien, a magia (poder sobrenatural) é parte do dia a dia. Tanto a do bem (branca) quanto a do mal (negra). Os orcs, a certa altura, escutam Gandalf perguntar: “Onde está o seu mestre?”. O líder dos orcs declara: “Ele está em toda parte, nós somos uma legião”. O diálogo remete à passagem de Lucas 8:30.
O Necromancer e os orcs são uma clara analogia sobre o poder e a atuação do Diabo e dos demônios, combatendo os que lutam em nome da luz.

4. O mal de invocar os mortos

Como mencionado acima, o Necromancer traz os mortos de volta à vida. No filme, Gandalf e seu colega Radagast viajam até uma torre com túmulos antigos, onde descobrem 9 túmulos vazios.
A ideia de o mal invocar os mortos remete à decisão do rei Saul em chamar uma bruxa para despertar o espírito do profeta Samuel (vide 1 Samuel 28). Outro título bíblico para quem falta com os mortos é “necromante”, que em inglês se escreve necromancer.

5. A força dos pequeninhos

No primeiro Hobbit, Bilbo impediu que seus amigos anões fossem comidos. Nesse, enfrenta as aranhas sozinho e os salva novamente. Parece ser um tema comum em toda a obra de Tolkien mostrar a importância das pessoas pequenas.
Nas duas trilogias, o protagonista é um ser de baixa estatura chamado hobbit. Neste filme, ele também enfrenta o dragão Smaug. O anão Balin observa, “Nunca deixa de me surpreender a coragem desses hobbits”.
De modo similar, Deus escolheu se tornar pequeno e limitado como um ser humano para salvar o mundo inteiro com um ato de grande coragem.