segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

A Verdade Sobre O Mickey Mouse Suicida

A internet é responsável pelas popularização das mais diversas lendas. Enquanto algumas são bem factíveis, outras são ridículas tamanha a quantidade de incoerências no texto. Este é o caso do Mickey Mouse suicida que iremos apresentar aqui. Mas não é este aqui da foto abaixo. Este, eu explico mais tarde, o importante é o vídeo.
Mickey Mouse Suicida
O cara teria saído da sala, [...] tirado a arma de um segurança e se matado.
Vem ganhando fama na internet um suposto vídeo do Mickey, feito por Walt Disney em um momento de depressão, após uso de drogas. Nele vemos um Mickey deprimido, andando em loop, onde sons estranhos nos fazem susto, enquanto o texto diz que a preparação do Mickey em direção da morte. Mas, melhor que explicar o vídeo, permitam transcrever aqui o que é repassado aos internautas toda vez que o vídeo é postado:
“Este é um vídeo raro, sinistro, nunca lançado oficialmente. Nele aparece o Mickey, andando cabisbaixo, com um cara depressiva, passando em looping por 6 prédios, enquanto toca uma música sinistra no piano. O vídeo original tem 9:04. Essa versão é sem o final.
O som fica chiado e, aos 1:49, a tela fica preta. Quando volta, aos 2:40, o som muda pra choro, murmúrios e gritos desesperados. O vídeo começa a ficar distorcido. Aos 4:40 o som começa a ficar com uma voz grossa e tem coisas que parecem estarem passando atrás da imagem.
Depois, aos 5:15, o choro se transforma em grito de dor. Cores aparecem, o filme fica com um fundo obscuro. 6:18. O Mickey fica sem o rosto. Volta uma música estranha, diferente da do início.
O fim desse vídeo é desconhecido. Segundo o relato da descrição, duas pessoas estavam assistindo o vídeo, mas Leonard Maltin não aguentou e saiu, deixando um funcionário pra fazer anotações de tudo, até o último segundo.
O cara teria saído da sala, dito 7 vezes “o verdadeiro sofrimento não é conhecido”, tirado a arma de um segurança e se matado. No final tem um trecho de um texto em russo, onde se lê “as visões do inferno conduzem os telespectadores para ele.”
Eis aqui o vídeo. Fiquem avisados, o vídeo pode acabar provocando diversas reações em quem o assiste, conforme sua sensibilidade.
Ok, é um tanto perturbador este vídeo, e pouco recomendado para epiléticos, mas a história não passa de uma grande mentira. Diversos membros de foruns onde o vídeo foi exibido se propuseram a pesquisar sobre a realidade desta história. Embora não descobrissem quem é o criador dele, é consenso que nunca seria uma obra de Disney, pois a qualidade de animação é ridiculamente inferior à, por exemplo, Steamboat Willie, terceiro curta de Mickey Mouse que pode ser visto aqui:
Além disso, o desenho está completamente mal editado, mal desenhado, isto é, impróprio para que fosse exibido na sala de teste – lembre-se que nessa época as animações só poderiam ser vistas no cinema, e isso custava muito caro para criar uma animação com uma qualidade dessa, mesmo para testes. Isso sem contar que o próprio Disney não teria como fazer essa animação sozinho – teria de ter mobilizado dezenas de funcionários para criar estes “efeitos”. Alias, estes efeitos eram considerados caríssimos e desnecessários para a época.
Quase existiu de verdade um Mickey Suicida, mais exatamente nas tirinhas de Mickey Mouse
Para finalizar, no infame fórum 4chan, ainda existe um usuário brandando ter criado o vídeo, e, estaria se gabando de te-lo criado e enganado tantas pessoas…
Ok, é óbvio que a história do vídeo é fake, mas quase existiu de verdade um Mickey Suicida, mais exatamente nas tirinhas de Mickey Mouse. O responsável pelas tiras do camundongo era o hoje lendário artista Floyd Gottfredson, e em meados de 1930 ele elaborou uma série de tiras onde, após sofrer um forte desgosto por causa da Minnie (a sua eterna namorada) o rato de calças curtas pura e simplesmente decide se matar!
Mickey suicida 2
Estas tirinhas acabaram não sendo aceitas, e nunca foram publicadas oficialmente.
Quem quiser ler mais sobre isso e ler as tirinhas publicadas em questão, visite:

Nenhum comentário:

Postar um comentário